A Ponte do Arco-Íris. Não era um anjo?

O pequeno filhote e o cão mais velho estavam deitados à sombra, sobre a grama verde, observando os reencontros. Às vezes um homem, às vezes uma mulher, às vezes uma família inteira se aproximava da Ponte do Arco-Íris, era recebida por seus animais de estimação com muita festa e eles cruzavam juntos a ponte.

O filhotinho cutucou o cão mais velho: “Olha lá! Tem alguma coisa maravilhosa acontecendo!” O cão mais velho se levantou e latiu: “Rápido! Vamos até a entrada da ponte!”

“Mas aquele não é o meu dono”, choramingou o filhotinho; mas ele obedeceu. Milhares de animais de estimação correram em direção àquela pessoa vestida de branco que caminhava em direção à ponte. Conforme aquela pessoa iluminada passava por cada animal, o animal fazia uma reverência com a cabeça em sinal de amor e respeito. A pessoa finalmente aproximou-se da ponte, onde foi recebida por uma multidão de animais que lhe faziam muita festa. Juntos, eles atravessaram a ponte e desapareceram.

O filhotinho ainda estava atônito: “Aquilo era um anjo?”, perguntou baixinho. “Não, filho”, respondeu o cão mais velho. “Aquilo não era só um anjo. Era uma pessoa que amou muito e protegeu todos aqueles animais.”

Autor desconhecido

 

Anúncios